Renda média de metade dos trabalhadores brasileiros é inferior a um salário mínimo

Um grupo formado por 44,5 milhões de brasileiros recebeu, em média, R$ 747 mensais em 2016, mostra IBGE

RIO e TERESINA (Piauí)- A renda média de metade dos trabalhadores brasileiros – um grupo de 44,5 milhões de pessoas que estava empregada em 2016 – é inferior a um salário mínimo. É o que mostram os dados da mais recente Pnad Contínua, divulgada pelo IBGE nesta quarta-feira. Segundo o documento, o rendimento médio real mensal recebido por esses trabalhadores, classificados como os 50% com menores rendimentos, foi de R$ 747 no ano passado – o correspondente a apenas um terço da renda média de todos os ocupados, que foi estimada em R$ 2.149 no ano passado.

Morador de Teresina, o eletricista Matuzalém Bastos Leal perdeu o emprego em que ganhava R$ 1.500 por mês, e agora depende de trabalhos avulsos para conseguir uma renda mensal em torno de R$ 450,00.
– Tem meses que chego a ganhar mais do que os R$ 450,00, mas tem meses que não aparece novos trabalhos para eletricista. Então, fica menos da metade de um salário mínimo por mês. Quando não dá para comprar comida, minha mãe me ajuda com R$ 500 e assim vou vivendo – disse ele.
O que coloca esse valor médio geral para cima é, principalmente, a renda média do 1% com os maiores rendimentos. Este grupo, formado por 889 mil trabalhadores recebeu em média, em 2016, R$ 27.085 mensais. Esse valor é 36,3 vezes maior do que a renda média dos 50% com os menores rendimentos, estimada em R$ 747.
– É por isso que temos um número expressivo de pessoas na informalidade, como pequenos empregadores, conta própria. São pessoas que têm rendimentos do trabalho bastante inferiores. Do outro lado, temos 1% da população ocupada ganhando, em média, R$ 27 mil mensais. Por isso vivemos num país tão desigual – analisa Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimentos do IBGE

Entre as regiões, a renda média da metade dos trabalhadores com os menores rendimentos vai de R$ 949 no Sul a apenas R$ 485 no Nordeste.
E AINDA: Santa Catarina é o estado onde a desigualdade de renda entre as famílias é a menor
A concentração de renda também fica evidente quando se olha para o total de rendimentos obtidos pelas famílias com o trabalho e de outras fontes, que somou R$ 255 bilhões no ano passado. Os 10% mais ricos da população concentraram quase metade desse bolo (43,4%), cerca de R$ 110,7 bilhões, enquanto os 80% que ganham menos concentram menos: 40,8% de toda a massa.

 

Da Redação: (esplanadagora@gmail.com) 
Foto: Efrém Ribeiro / Agência O Globo
Fonte: G1