Auditoria do TCE revela avanço de mortes violentas no interior baiano

O relatório de auditoria em que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) aponta indícios de subnotificação dos casos de homicídios dolosos na Bahia, noticiado na edição de ontem, revela também o avanço da violência para o interior. De acordo com dados obtidos pelo TCE no site da Secretaria da Segurança Pública (SSP), as cidades fora da Região Metropolitana de Salvador concentravam, em 2014, 62,95% dos chamados Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), sigla que abriga homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Em 2016,  o percentual foi de 67,64%, quase cinco pontos a mais. Em contrapartida, o índice de CVLI na capital caiu de 23,33% para 20,28% no mesmo período, diz o relatório do TCE referente às contas da SSP no exercício de 2016.  
Fato consumado
A alta concentração, destacam os auditores da Corte , “demonstra, cabalmente, a migração da violência e da criminalidade para cidades interioranas, muitas das quais desguarnecidas de aparato policial (Militar e Civil) suficiente e capaz de deter o crime organizado e o tráfico”.
Janela fechada
No mesmo dia em que a coluna divulgou as evidências de subnotificação no número de homicídios detectados na auditoria do Tribunal de Contas, a SSP retirou de sua página na internet todos os boletins diários das principais ocorrências policiais entre 2011 e 2017. No site, só estão informações referentes a 2018. As estatísticas mensais sobre crimes registrados na capital e interior do estado abrangem até agosto de 2017. As distorções entre o balanço publicado pela SSP na internet e os dados enviados ao TCE pelo Cdep, órgão responsável pelas estatísticas da Polícia Civil, foram apontadas no relatório como evidência de subnotificação no índice de CLVI.
Prova dos nove
Em nota de esclarecimento enviada ontem, a SSP negou a existência de qualquer documento do TCE apontando subnotificação de homicídios dolosos ou irregularidades nos índices criminais divulgados pela secretaria. Classifica as informações veiculadas como “boatos e mentiras”. No entanto, a Satélite disponibilizou no site do CORREIO a íntegra do relatório de auditoria do tribunal que confirma o conteúdo publicado. O documento também pode ser acessado na página do próprio TCE.

 

Da Redação: (esplanadagora@gmail.com) 
Foto: Reprodução
Fonte: Correio