ESPLANADA: Vexame do Sindicato e discurso coerente de vereador marcaram a sessão do legislativo municipal

A Sessão do legislativo de ontem (09/10) foi marcado pela interferência de alguns manifestantes que foram a sessão a convite do Sindicato e que gerou tumulto e desconforto durante o rito.
Pela 4ª sessão consecutiva, o presidente da Câmara Adailton Mendes vem afirmando durante as sessões que o legislativo não é o Poder que irá resolver a situação do Plano de Cargos e Salários do servidores e sim o Executivo. Mas o sindicato adotou uma postura de pressionar publicamente e em seus meios de comunicação os vereadores a não votarem as matérias do executivo, até que essa situação do plano de cargos e salários esteja resolvida. Porém, esse mesmo sindicato esquece que essas mesmas matérias do executivo são de fundamental importância para a população de um modo geral e não apenas para a categoria dos servidores, como quer o sindicato.
Como essa bandeira de votar contra as matérias do executivo não vem dando certo, ontem por exemplo, os 2 projetos Projetos de Lei foram aprovados por 10 votos favoráveis, alguns militantes vem perdendo a compostura e dando uma grande contribuição ao retrocesso democrático e ao respeito ao contraditório, com vaias, piadas e até mesmo proferindo palavras de injúria e calúnias contra os vereadores, dizendo que os mesmos são traidores, por não apoiarem a categoria. Essa foi a postura de alguns militantes na sessão de ontem (09/10), principalmente quando o vereador Marcos Mulungu, que é oposição a gestão atual, disse em sua fala que sempre irá defender os servidores, mas nunca vai virar as costas para a população de modo geral, barrando projetos importantes que podem melhorar a situação desses. Durante a sua fala, o vereador foi interrompido pelos militantes e mesmo assim Marcos do Mulungu manteve o seu ponto de vista e dando o voto favorável aos projetos de lei de autoria do executivo. Ouça o pronunciamento do vereador:
O Vice-presidente do legislativo Marcos Pinheiro interrompeu o pronunciamento do colega para chamar à atenção da mesa pela falta de respeito dos militantes no pronunciamento do vereador Marcos do Mulungu e de nada adiantou. A vereadora e também professora Meire de Ziel lamentou em sua fala essa atitude de alguns inflamados servidores durante a sessão.

SEM REGISTRO:

Foi dito pelos militantes durante a sessão que a questão da ilegitimidade do sindicato junto ao MTE estava em andamento na justiça, porém, tanto nas redes sociais como em outros meios o sindicato nunca se pronunciou sobre a entidade que beira os 30 anos de existência e nunca solicitou esse registro sindical. Só depois do parecer da desembargadora do TJBA colocando a instituição como ilegítima, o mesmo tomou alguma providencia, no que parece.

 

Da Redação: (esplanadagora@gmail.com) 
Foto: Ascom Câmara Municipal de Esplanada