Bancários querem 16% de aumento a partir de setembro

Bancários e representantes dos bancos deram o primeiro passo para a abertura das negociações da campanha salarial deste ano. O comando nacional da categoria entregou à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) documento com a pauta de reivindicações dos trabalhadores. O principal item da lista é um aumento de 16%, a partir de 1º de setembro, data-base dos bancários. Os dirigentes sindicais apresentaram também propostas para a instituição de um piso com base no salário mínimo calculado pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

O valor atual é de R$ 3.299,66. Além disso, os trabalhadores querem receber Participação sobre Lucros e Resultados (PLR) de três salários-mínimos mais R$ 7.246,82 de parcela fixa adicional, além de 14º salário. Outras reivindicações são a valorização dos vales-refeição e alimentação no valor de um salário-mínimo (R$ 788), melhores condições de trabalho e fim das metas consideradas abusivas. No Rio, a campanha salarial dos bancários será lançada em um ato na próxima segunda-feira, promovido pelo sindicato. A concentração do movimento será a partir da 12h, na Candelária, no Centro. Em seguida, os trabalhadores seguirão em passeata pela Avenida Rio Branco até a Cinelândia.

Lucro do BB passa de R$3 bi – O Banco do Brasil divulgou ontem que teve lucro líquido de R$ 3,008 bilhões, no segundo trimestre do ano, com alta de 6,3%, em comparação a igual período de 2014 (R$ 2,9 bi). Os ativos atingiram R$ 1,534 trilhão em junho, com crescimento de 9,5% em 12 meses. Já o BC decretou liquidação extrajudicial do BRJ, que atuava na área de crédito imobiliário e tinha R$ 214 milhões em dívidas, com patrimônio de R$ 44 milhões. (iG)