POLÍTICA: Lado A ou Lado B? Tensão, ofensas e motivação de ódio estão marcando o clima político de Esplanada.

O que em outros anos era algo que não passava de uma simples discussão entre amigos e colegas no balcão de um bar ou em uma fila de banco e que logo após o ambiente voltava a ser cordial e amistoso, hoje, com todos os adventos tecnológicos, como por exemplo as redes sociais que deveriam ser utilizados para elevar de forma positiva e respeitosa as diferentes “opiniões” políticas e fomentar a chegada das propostas aos eleitores via facebook e whatsapp, vem tendo um efeito contrário e sendo utilizada por alguns de forma inconsequente.
As mesmas estão sendo utilizadas muitas vezes e por muitos seguidores dos principais grupos políticos de Esplanada como um verdadeiro “campo de batalha” onde o que muitas vezes prevalece o tom provocativo, as ofensas e algumas ameaças a esse ou aquele participante, seja ele do LADO A ou do LADO B.
A pergunta que fica na cabeça de muitos eleitores é até aonde atitudes como as vistas recentemente nesses ambientes virtuais somam para o coletivo, para o desenvolvimento do município e para aqueles que nem mesmo estão em grupos de whatsapp ou facebook e acompanham os rumores indiretamente?
Até aonde essa disseminação de ódio cada vez mais presente nas redes sociais vai chegar? A pouco dias foi noticiado por um site da capital que existe a hipótese de um dos grupos políticos acionarem a Força Nacional ou a Polícia Federal para conter os ânimos dos mais apaixonados e manter a ordem. Pasmem! Isso foi notícia da semana.
Outra coisa que nos faz lembrar com saudade dos eventos políticos de outros anos eram os comícios, onde as famílias se produziam toda como se fossem a um teatro e saiam para apreciar o comício do LADO A e em outra oportunidade do LADO B e da mesma forma eram as carreatas e as caminhadas. Hoje, o que se vê são grupos medindo força e mostrando para a sociedade que o melhor comício é aquele que tem mais gente e que a melhor carreata é aquela que tem mais carros!
Nesse nosso formato de grupos quem acaba perdendo é a própria sociedade em vários sentidos. Pois muitas pessoas deixam de ir aos eventos para não serem hostilizadas por apaixonados do lado adversário e acabam perdendo a oportunidade de ouvir o que realmente deveria ser dito nos eventos: As propostas de governo e não uma série de ataques.
Algumas mensagens de pacificação e de não a provocação são expostas nessas mesmas redes sociais, porém, muitas vezes estamos nos debatendo nas ruas e avenidas da cidade com carros de som com músicas provocativas ao grupo ou ao candidato oposto por simpatizantes com seus veículos identificados pelos adesivos do grupo ao qual ele pertence direta ou indiretamente.
A lição que fica é que ainda temos que evoluir muito e não deixar que os valores aprendidos dentro de casa e nas escolas se percam por conta do período eleitoral.

Esplanada Agora – Informação na medida certa.