Prefeito critica ação da polícia acusada de agredir esplanadense “Toscos, covardes e truculentos”

Um caso envolvendo a Polícia Militar e um esplanadense durante o fim de semana, gerou revolta e indignação. Mailson Araujo de 25 anos contou que estava na Barra do Itariri pertencente ao município do Conde, quando foi abordado pelo ex- comandante da cidade de Esplanada Sargento Gilson Cruz acompanhado por um outro policial. “Ele me chamou do outro lado da rua e bateu com a arma em meu peito, então me assustei, afastei a arma e saí de perto dele, até então, ainda não havia se apresentado como polícia. Ao me afastar, outro rapaz que estava dirigindo saiu com a arma em punho e me deu coronhadas na cabeça e na testa. Fiquei no chão sangrando e eles mandaram entrar na viatura… me colocaram dentro porta malas e durante o trajeto pedi para que abrisse pois estava com dificuldades de respirar. Eles abriram e apontando uma arma, perguntaram se eu já havia respirado, depois tornaram a fechar o porta malas” relatou.
Na Delegacia de Polícia Civil do referido município, os policiais alegaram que Mailson teria reagido a abordagem e estava causando tumulto empinando a motocicleta. “Sei que errei ao empinar a moto, mas nada justifica a humilhação a qual passei”.
Nesta segunda-feira (08/09), o Prefeito de Esplanada Rodrigo de Castro Lima utilizou-se do programa de rádio “Espaço Aberto” transmitido pela Brisa Mar FM onde desabafou sobre o caso e posteriormente, em uma exclusiva com o Esplanadagora tornou a fazer um breve pronunciamento acerca do incidente. Para o alcaide, não restam dúvidas de que os motivos que desencadearam a ação dos policiais foram de cunho político, visto que Mailson tem ligação com a gestão atual, atuando como instrutor na academia do Complexo da Pompeia. ‘Existe uma interferência direta nas ações da polícia aqui em Esplanada. Quando existem blitz, as pessoas ligadas ao meu governo são as mais atingidas” Declarou o chefe do executivo. Questionado sobre a possível conivência do comandante da 56ª CIPM Major Himério, o gestor acredita que o mesmo não saiba do que vem ocorrendo. “Na minha opinião ele é um homem íntegro, mas refém do subcomandante Cléber Cruz, sobrinho do Sargento Gilson Cruz. O Major, como chefe do comando, não tem porque se preocupar com o plantão de policiais, isso é de competência do subcomando coordenado por Cléber Cruz que acaba adentrando nesse “jogo” do tio. Explanou.
Indignado com a situação, Rodrigo acredita que o fato de o jovem atuar na área da saúde, gerou incômodo. “Para eles, quem deve atuar nesta área é o chefe político de Gilson Cruz. Não Podemos permitir e eu tenho certeza que esta é uma postura do Governador Rui Costa e do atual secretário Maurício Barbosa que um mau policial, um policial bandido e miliciano, tenha esse tipo de atitude. A história desse cidadão é manchada por excesso de subserviência às autoridades políticas. É uma extirpe de policiais criada para dar sustentação política a determinados grupos aqui na região”.
Quantas as providências, o gestou foi taxativo, afirmando que agirá dentro da lei, cobrando das autoridades competentes junto ao Deputado Alex Lima que faça um pronunciamento na Assembleia Legislativa, para que o Estado da Bahia tenha conhecimento; “vou solicitar o Procurador do Município e acionar o MP” Finalizou.