Taxa de desemprego no país ficou em 8,3% no segundo trimestre, a maior da série histórica

A taxa de desemprego no país ficou em 8,3% de abril a junho, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, que apresenta dados para todos os estados brasileiros. A taxa é a maior da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. No segundo trimestre de 2014, o desemprego tinha sido de 6,8%. Frente ao segundo trimestre do ano passado, o desemprego subiu em todas as regiões. A população desocupada no país chegou a 8,4 milhões de pessoas, o que representa uma alta de 5,3% frente ao trimestre imediatamente anterior.

Na comparação com 2014, o aumento é de 23,5%. Já a população ocupada era de 92,2 milhões de pessoas, estável em relação ao trimestre anterior e ao segundo trimestre de 2014. No segundo trimestre do ano, o rendimento médio do trabalhador brasileiro ficou em R$ 1.882, o que representa uma queda 0,5% em relação ao primeiro trimestre. A massa de rendimento dos trabalhadores foi de R$ 167,905 milhões no segundo trimestre, o que segundo o IBGE sugere estabilidade frente ao trimestre anterior (R$ 168,398 milhões) e ao segundo trimestre de 2014 (R$ 165,229 milhões).

Todas as regiões do país registraram alta da taxa de desemprego frente ao segundo trimestre do ano passado. Entre as unidades da federação, o maior desemprego foi na Bahia, de 12,7%, enquanto Santa Catarina registrou a menor taxa, de 3,9%. No primeiro trimestre deste ano, a taxa de desemprego pela Pnad Contínua foi de 7,9% — a maior para o período desde 2013. Já no trimestre encerrado em maio ficou em 8,1%, até então o maior da série histórica da pesquisa, tendo sido superado agora. Entre abril e junho de 2014, o desemprego ficou em 6,8%.

Pela Pesquisa Mensal do Emprego (PME), a taxa de desemprego subiu para 7,5% em julho, o pior resultado para o mês desde 2009. Os dados da PME são resultado de entrevistas em seis regiões metropolitanas: Rio, São Paulo, Recife, Salvador, Belo Horizonte e Porto Alegre. Já o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho apontou que foram fechados quase 158 mil postos de trabalho formal no mês de julho, com demissão em quase todos os setores: a única exceção foi agricultura. Os dados da Pnad contínua são calculados mensalmente com informações coletadas no trimestre encerrado no mês de referência, para todos os estados brasileiros. Para as informações de junho, são considerados os dados de abril, maio e junho. (O Globo)