Youssef diz que Negromonte recebeu propina de R$ 250 mil do esquema da Petrobras

O doleiro Alberto Youssef disse que o ex-deputado e conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), Mário Negromonte (PP), recebeu propina de R$ 250 mil com dinheiro da corrupção da Petrobras.
De acordo com a coluna Satélite, do jornal Correio, Negromonte foi um dos cincos caciques do PP a receber a cota mínima de R$ 250 mil.A denúncia de Youssef está transcrita na página 113 do relatório em que a Polícia Federal pede ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para ouvir políticos implicados no escândalo. Lista que inclui o próprio Negromonte e o ex-presidente Lula.
Em um dos depoimentos reproduzidos pela PF na solicitação, o doleiro afirma que as parcelas mensais para a cúpula do partido podiam chegar a R$ 500 mil e tinham como destinatários, além do ex-ministro, outros quatro nomes: os ex-deputados João Pizzolatti (SC), Pedro Corrêa (PE) e José Janene (PR), já falecido, e o deputado Nelson Meurer (PR). Ainda de acordo com Youssef, esse acerto vigorou entre 2006 e 2012, quando Negromonte perdeu o cargo na Esplanada dos Ministérios e a força no PP.
Ainda confome a publicação, o relatório da PF descreve detalhes de um jantar que teria sido oferecido por Mario Negromonte em homenagem ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Delator do esquema, Paulo Roberto era indicação do PP, para o qual corria a sacola de propina nas empreiteiras. O evento reuniu, em dezembro de 2011, os cardeais pepistas no chique restaurante Dom Francisco, em Brasília.
Na ocasião, Negromonte presenteou o ex-diretor com um Rolex. Tanto o relógio, quanto o rega-bofe foram bancados por Youssef. É o  que diz a delação do doleiro, de Paulo Roberto e o depoimento de outro baiano enrolado com o esquema, o ex-deputado Luiz Argôlo (ex-PP e ex-SD), preso desde abril em Curitiba.