Estudantes desenvolvem sistema de segurança em capacete para identificar assaltantes em moto

Os estudantes Jhonatas Pinto Santos e Ludmila Gonçalves dos Santos, ambos de 16 anos, do Colégio Estadual Professora Simone Simões Neri, em Inhambupe (169 km de Salvador), desenvolveram, juntamente com colegas de turma, um sistema de segurança implantado em capacetes para identificar e rastrear motociclistas. O projeto “Sistema de câmera e o emplacamento com aplicativo para o capacete do motociclista envolvendo a Matemática” tem o objetivo de facilitar a investigação policial, minimizando o número de crimes e assaltos praticados com o uso de motos nas fugas.
Jhonatas Pinto Santos, do 3° ano do ensino médio, explica sobre o funcionamento do sistema. “Implantamos na parte interna do capacete uma micro-câmera wireless de visão noturna e autocarregável, que filma a imagem da face do condutor e a armazena durante 90 dias e que também serão enviadas para o departamento de trânsito”.
Outro destaque é a placa com QR Code ou Código QR, que é um código de barras bidimensional. “Na parte de trás do capacete adicionamos uma placa adesiva fluorescente na qual consta o número da placa da moto e o QR Code, onde as informações como CPF, RG, grupo sanguíneo e a localização exata do dono do capacete podem ser acessadas através do escaneamento por um aplicativo de leitura de código QR instalado no celular”, diz Ludmila Santos.
Este código facilitará a identificação de quem está pilotando o veículo. “Por meio desse sistema será possível identificar o rosto do condutor mesmo se ele estiver de capacete, pois oficiais e órgãos jurídicos, ao entrarem na rede, podem ter acesso à identidade e a hora que esse meliante praticou o ato. A partir disso, o indivíduo será localizado e receberá a sua devida punição”, explica Jhonatas Santos.
De acordo com a professora de Matemática e orientadora do projeto, Nildete Luz Souza, o projeto foi pensado pelos estudantes para participação na 3ª Feira de Ciências e Matemática do colégio, ao refletirem sobre o alto número de crimes cometidos usando motocicletas no Brasil. “Para a elaboração do projeto, os estudantes realizaram pesquisas e coletaram dados no Detran. Além disso, estudaram conteúdos como dados estatísticos, análise combinatória, sistema binário e leis do trânsito, a exemplo da que obriga o uso do capacete”, explica a educadora.
A professora ressalta que os estudantes “esperam conseguir legalizar o projeto através de um projeto de lei aprovado por legisladores e sancionada por quem de direito, para que ele seja adotado como uma das formas de identificação de meliantes que praticam delitos usando o capacete e a motocicleta”. Ela também informa que o projeto foi premiado com o troféu destaque, na modalidade ensino médio, durante a 10ª Feira Baiana de Matemática, realizada em 2015, como parte do 4º Encontro Estudantil da Rede Estadual, em Salvador. Além disso, foi apresentando no evento de abertura oficial do ano letivo de 2016.

Crianças esplanadenses recebem aulas práticas de Educação no Trânsito

Depois das crianças da região da praia, chegou a vez da criançada da sede receber aulas de cidadania e Educação no Trânsito. A ação, uma parceria do Detran-BA, com a Prefeitura de Esplanada, a Secretaria Municipal de Educação e o Deputado Estadual Alex Lima, tem como foco principal conscientizar e orientar a respeito das regras de trânsito, desde o seu funcionamento, aos alertas quanto ao uso de equipamentos de proteção.
A unidade móvel que deu espaço a uma sala de aula itinerante, permaneceu durante a segunda e terça-feira (13 e 14/10) nas imediações do Complexo da Pompeia. Logo após as aulas, as crianças experimentaram na prática o funcionamento do trânsito, tendo oportunidade de conduzir mini veículos, sempre sob devida supervisão e orientação por parte da equipe responsável.
Imagens: Ascom/PME