Politica

Bolsonaro promete expulsar quem usar ministério para se eleger

Presidente afirmou que sua prioridade neste ano é fazer uma reforma tributária que “em 30 anos nunca foi feita”

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que dará “cartão vermelho” a ministros que usarem o cargo e as ações de suas pastas para se promover eleitoralmente. O alvo da declaração pode ser o já desgastado titular da pasta da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que teria intenção de concorrer ao governo do Rio Grande do Sul em 2022.

“Se algum ministro quer ser eleito, que abra o jogo. E se, porventura, estiver usando ministério para seu respectivo Estado, vai pegar um cartão vermelho de primeira. É cartão vermelho na hora. Tem que trabalhar aqui para o Brasil como um todo.”

Na entrevista, o presidente disse ainda que seu objetivo principal neste segundo ano de mandato é aprovar a reforma tributária. “Não importa quem vai ser o pai da criança, se a Câmara ou o Senado. Eu quero é fazer depois de 30 anos uma reforma tributária que nunca foi feita.”

Bolsonaro afirmou ainda que tem três nomes para a vaga do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, que deixa a vaga em setembro deste ano, “mas pode ter um quarto”. A afirmação vai contra a ideia original, anunciada logo após a escolha de Sergio Moro para o Ministério da Justiça, em 2018, de que ele seria o indicado para a primeira vaga da Corte.

Falou ainda que não pretende se envolver com as eleições municipais de 2020, mas admitiu estar conversando com o apresentador de TV José Luiz Datena, possível candidato à Prefeitura de São Paulo.

O presidente admitiu também que não conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a ameaça de zerar os impostos federais sobre combustíveis, feita na quarta-feira (5). ‘A conversa tem sido com o ministro das Minas e Energia (Bento Albuquerque) e com o presidente da Petrobras (Roberto Castello Branco). Há uma pressão para cima de mim, como se eu fosse o responsável pelo preço final”, justificou.

Da Redação do EA

(Com Informações do R7)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

você pode gostar