Politica

UPB emite nota de repúdio à atitude de Kannário

PM também fez uma nota criticando a atitude do cantor, que respondeu logo em seguida

A União dos Municípios da Bahia (UPB) emitiu uma nota em apoio à Polícia Militar após o cantor Igor Kannário ter, segundo a União, incentivado os foliões a vaiarem a PM no Carnaval de Salvador, na segunda-feira (24), enquanto puxava o trio no Campo Grande.

Na ocasião, além do pedido de vaia, o cantor baiano ainda afirmou que “se acontecer alguma coisa comigo, quem mandou me matar foi alguém da Polícia Militar”.

Confira a nota de repúdio emitida pela UPB:

“A União dos Municípios da Bahia (UPB) manifesta apoio ao trabalho da Polícia Militar. Nesse sentido, a UPB repudia a atitude do cantor e deputado federal Igor Kannário, durante a passagem do trio elétrico, na segunda-feira (24), no Campo Grande. O artista e parlamentar incitou foliões contra o policiamento presente no local. “Quero uma vaia para a Polícia Militar da Bahia”, disse Kannário.

Somos contra a violência e a favor do respeito às instituições. A Polícia Militar da Bahia garante a ordem, a segurança e permite que os foliões brinquem com tranquilidade no Carnaval de Salvador. A PM-Ba é uma instituição séria que merece o respeito de todos os cidadãos”.

Além do comunicado feito pela associação, a PM também se manifestou contra a ação de Kannário alegando que o deputado federal provocou e agrediu a Polícia, além de ter dito que seria uma “atitude irresponsável e criminosa”.

“A Polícia Militar da Bahia repudia as provocações e agressões feitas à tropa pelo cantor Igor Kannário durante a passagem do trio na tarde desta segunda-feira (24), no Campo Grande. Além da atitude irresponsável e criminosa o também deputado federal incitou os foliões contra os policiais militares que faziam o policiamento do circuito Osmar. É inaceitável que qualquer pessoa, ainda mais um parlamentar, tente comprometer a honra da instituição e de policiais militares que estão comprometidos e empenhados na defesa da sociedade baiana. Todas as medidas judiciais cabíveis que o caso requer serão adotadas”, diz a nota.

Em resposta, a assessoria do ‘Príncipe do Guetto’ publicou que o cantor apenas solicitou “uma abordagem adequada” após observar que alguns policiais foram agressivos com os foliões. Declarou ainda que ele admira e respeita a instituição Polícia Militar, porém não iria se calar em situações como a de segunda-feira.

“O parlamentar baiano frisa, ainda, que este foi um caso pontual da atuação da PM durante a passagem da pipoca do Kannário pelo Campo Grande. Inclusive, no início do desfile, o cantor pediu aplausos para a PM e para os policiais que estão trabalhando arduamente neste Carnaval“.

Da Redação do EA

(Com Informações do VN)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

você pode gostar