Politica

Prefeitura veta projeto que reconheceria o ofício das Baianas de Acarajé como Patrimônio Imaterial, Cultural e Histórico da Cidade

07/05/2020

Na contramão de tudo que se pensa sobre a importância das Baianas de Acarajé para a cultura de Salvador e de todo o estado, os vetos encaminhados pela Prefeitura Municipal ao Projeto de Lei nº 534/2017 de iniciativa da Casa Legislativa que “Declara o ofício das Baianas de Acarajé como Patrimônio Imaterial, Cultural e Histórico da Cidade de Salvador foram mantidos pelo número de votos favoráveis aos vetos durante a votação que ocorreu na manhã desta terça-feira, dia 5.

As Baianas de Acarajé já foram reconhecidas como Patrimônio Imaterial da Bahia e o Acarajé também já foi tombado como patrimônio cultural brasileiro, no entanto, o projeto que foi vetado visa reconhecer o ofício da atividade das Baianas de Acarajé.

O vereador Sílvio Humberto (PSB) autor do Projeto de Lei nº 534/2017 usou as redes sociais para falar sobre o veto. “É inaceitável que uma cidade que cheira o azeite de dendê das Baianas de Acarajé tenha um projeto dessa dimensão vetado em sua totalidade, pois o PL visa reconhecer e valorizar publicamente a contribuição cultural da categoria.

O argumento dado pela Prefeitura é sob alegação que se trata de uma prerrogativa do executivo, mas a pergunta que não quer calar: porque não o fez? Trata-se de uma reivindicação das baianas de diversas gerações. Não atender um projeto de reparação histórica como esse é um contra-senso que negligencia os anseios de um ofício que é a cara da capital baiana.

Com esse veto, só dá a entender que o prefeito segue querendo governar sozinho, mas é bom lembrar que o Estatuto da Igualdade Racial foi aprovado e sancionado, pois caracterizava um reconhecimento público e de total reparação, o que considero de valor e peso igualitário ao Ofício das Baianas.

A prefeitura segue praticando suas reparações simbólicas e de faz de conta. Bom lembrar que muitas dessas baianas são chefes de família e que sustentam os seus filhos, filhas, netos e netas por meio da venda de seus quitutes que agrada gente de todo o mundo”, finalizou.

Da Redação do EA

(Com Informações do BSF)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

você pode gostar