Politica

Justiça eleitoral combate esquema de divulgação de pesquisa falsa em Alagoinhas

09/10/2020

As pesquisas, sem registros no TSE e com resultados inidôneos, estavam sendo divulgadas nos grupos de WhatsApp.

A Justiça Eleitoral, após a propositura de ações judiciais pelo DEM de Alagoinhas, deferiu duas liminares proibindo a divulgação de pesquisa não registrada no TSE.

As pesquisas, sem registros no TSE e com resultados inidôneos, estavam sendo divulgadas nos grupos de WhatsApp. Na decisão, o juiz eleitoral registrou que “para o TSE a divulgação de pesquisa sem prévio registro em grupo de Whatsapp configura o ilícito previsto no art. 33, § 3o, da Lei 9.504/97. Assim sendo, deve ser concedida a medida de urgência para que o representado se abstenha de divulgar os números da pesquisa sem registro”.

Os divulgadores de pesquisas manipuladas e sem registros no TSE devem ficar de cabelo em pé. Isso porque, de acordo com as resoluções do TSE, a divulgação de pesquisa sem o prévio registro das informações sujeita os responsáveis à multa no valor de R$ 53.205,00 a R$ 106.410,00 (Lei nº 9.504/1997, art. 33, § 3º, e 105, § 2º).

Da Redação do EA

(VIA: Maria Ribeiro DRT: 0005952/BA)

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

você pode gostar