Destaque

BRACELL LEVANTOU US$ 1,8 BILHÃO PARA A MAIOR E MAIS VERDE FÁBRICA DE CELULOSE DO MUNDO

10/03/2022

A Bracell, líder global na produção de celulose solúvel e integrante do grupo de empresas RGE, recebeu forte apoio de bancos brasileiros e internacionais, captando US$ 1,8 bilhão por meio de empréstimo sindicalizado. O valor financiou o empreendimento da maior e mais verde fábrica de celulose do mundo localizada em Lençóis Paulista, São Paulo. A construção da fábrica foi concluída dentro do prazo e do orçamento, e iniciou suas operações em novembro de 2021.

A Bracell está verticalmente integrada em sua cadeia de suprimentos, desde plantações de fibras renováveis até a produção de celulose kraft, celulose solúvel e celulose especial que são vendidas no mercado interno e internacional. Celulose solúvel e especial estão entre as principais matérias-primas usadas para criar uma ampla gama de produtos, desde têxteis, lenços umedecidos e armações de óculos até embalagens para salsichas e produtos farmacêuticos, além de produtos industriais, como cabos de pneus de alto desempenho.

Tey Wei Lin, presidente da RGE, disse: “O financiamento, representando o maior investimento privado no estado de São Paulo nas últimas duas décadas, demonstra nossos contínuos investimentos no Brasil. Estamos orgulhosos da nossa equipe, que entregou uma sólida execução de projetos e mantém a fábrica em funcionamento, apesar dos desafios impostos pela pandemia. A maior e mais verde fábrica de celulose do mundo endossa nosso compromisso com o desenvolvimento sustentável, conservação e desenvolvimento comunitário, uma diretriz que norteia nossas operações globalmente. A celulose solúvel é renovável e biodegradável, atende à tendência crescente e à preferência dos clientes pelo uso de produtos sustentáveis.”

Uma fábrica de celulose de nova geração, sustentável, que conta com a melhor e mais recente tecnologia para o setor, sem o uso de combustíveis fósseis. Ela foi projetada com inovações importantes, incluindo uma biorrefinaria que controla a entrada de materiais para maximizar a reciclagem, minimizar o desperdício e reduzir a pegada ambiental de forma significativa, resultando em baixo consumo de água e baixas emissões. Com duas linhas de produção flexíveis, pode produzir 1,5 milhão de toneladas de celulose solúvel por ano ou entre 2,6 milhões e 2,8 milhões de toneladas de celulose kraft por ano. Além disso, é autossuficiente em energia, e o excedente de energia limpa e de alta qualidade é disponibilizado no Sistema Interligado Nacional. A fábrica empregou mais de 11.000 funcionários durante o pico da construção e criou 6.650 empregos permanentes para a comunidade local.

 Os bancos de empréstimos sindicalizados de sete anos são co-liderados pelo Banco Bradesco e Bank of China, com participação do Banco Itaú, China Minsheng Bank, Banco do Brasil, Bladex e Safra.

Pedro Stefanini, vice-presidente sênior da Bracell, afirmou: “Esta linha de crédito e o contínuo investimento em nossas operações mostram o potencial de crescimento da celulose no Brasil e nos mercados internacionais. Nossa ambição não é apenas ser uma das maiores operações de celulose do mundo, mas também uma das empresas mais social e ambientalmente responsáveis. Estamos orgulhosos de termos construído uma fábrica que estabelece os mais altos padrões de uso sustentável de recursos renováveis e, simultaneamente, cria milhares de empregos e oportunidades de carreira para as pessoas no Brasil.”

Para Bruno Boetger, diretor executivo do banco Bradesco: “No banco Bradesco, temos orgulho de liderar e sindicar a parcela doméstica do financiamento que apoia este projeto. Este é um investimento marcante da Bracell e serve para impulsionar ainda mais a competitividade da indústria brasileira e global de celulose e papel. O Banco Bradesco mantém um relacionamento de longo prazo com a Bracell e, com o apoio de outros grandes credores nacionais, nossa parceria reflete o forte histórico de realização de negócios com um membro do grupo de empresas RGE.”

Li Fang, vice-presidente executivo do Global Advanced Corporate Finance Centre do Bank of China, disse: “É um grande prazer para o Bank of China concluir um acordo brasileiro tão importante, particularmente desde o 14º aniversário de cinco anos do nosso país. O plano continua a apoiar Macau no reforço do seu estatuto de plataforma de ligação entre a China e os países de língua portuguesa. O projeto significa um vínculo econômico mais estreito entre o Brasil e a China, uma vez que sua celulose atenderá principalmente ao mercado chinês, onde possui a maior e crescente demanda por celulose solúvel do mundo.

Da Redação do EA

(VIA: ATcom)                                                                                                                                                                                            

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

você pode gostar